MÁSCARAS

Confortável e com boa vedação : Antes de tudo, encoste a máscara no rosto ( sem a utilização da tira ), inspire pelo nariz e abaixe a cabeça. Esse teste é fundamental. Se a máscara se mantiver fixa ao rosto, ela tem boa vedação. Se cair , não serve. Procure outra.

Bom campo visual : Isso é indispensável

Nariz moldado : Facilita a compensação ( manobra de valsalva )dos seios da face e dos ouvidos

Tira : A máscara deve ficar bem fixa ao rosto, mas as tiras não podem apertar a cabeça.

Regulagem automática do tirante : Com este recurso, você não precisa retirar a mascara para fazer a regulagem das tiras

Pequeno volume interno : Esta característica é especialmente importante para os praticantes de apneia (mergulho no fôlego, sem cilindros ) e caça submarina em profundidades maiores que 10 metros

Visor frontal: único ou duplo : Se você não tem alguma deficiência visual, a escolha do visor é indiferente. No caso, tanto faz se a sua mascara conta com visor único ou duplo ( dois vidros separados ). O mesmo vale para quem tem algum problema de visão mas costuma usar lentes de contato. Tudo muda de figura se você usa óculos. Nesse caso, a escolha deve recair sobre a mascara com visor duplo. Só assim será possível trocar os vidros por lentes seguindo receita médica. Alguns modelos de algumas marcas já possuem lentes de grau disponíveis para venda, o que facilita muito

A mascara deve ser feita de material transparente? : Para o mergulho autônomo ( com cilindros ), tanto faz. Já para caça submarina é mais aconselhável usar mascaras fabricadas com material não transparente, que não refletem nos olhos a luz que entra pelas laterais.

Outras características : Características como cor, presença ou não de válvula de esgotamento, visores laterais e ou inferiores a mais , dependem exclusivamente do gosto, adaptação e costume do usuário



Copyright © 2006 Paulinho Dive
Informações: Tel/Fax (0xx21) 9696-8677 ou por e-mail info@paulinhodive.com.br.
Projeto e Desenvolvimento: DesignWeb.